Para permitir as transações, o real digital utilizará os chamados “smart contracts”, que já fazem parte das blockchains de criptomoedas